Ouço ao longe a sineta soar, a secretária atende. Finalizo mais uma massagem redutora e aguardo o próximo cliente, interfono à assistente, chamando-o. Tu invades a sala e de imediato vejo que já o vi em algum lugar, porém ali sou uma massagista séria, profissional e competente. Com um sorriso indico o reservado para que se dispa e permaneça apenas de cueca, solicito em seguida que te deites de costas e aguarde, cubro teu quadril com uma pequena toalha e ponho-me a preparar os materiais a serem utilizados, creme, toalha e venda relaxante para os olhos. Ponho uma música suave de piano e inicio meus trabalhos, mas ao tocar tua pele meus pelos eriçam e sinto que será único aquele momento, porém permaneço profissional e 50 minutos depois findo o relaxamento e tu dormes descansado na maca e eu saboreio o momento apreciando o teu corpo, teu peito peludo, tua barriga sarada, sigo o olhar para teu quadril em que tudo aquilo aguarda escondido abaixo da malha fina deixando-me antever o grande volume lá adormecido, continuo te comendo com os olhos percorrendo tuas coxas e pernas findando em teus pés com unhas limpas e bem tratadas. Não resisto e aproximo-me de ti, e, arriscando-me ainda mais, colo meu rosto ao teu buscando solver teu cheiro de macho misturado a suavidade do creme corporal e me excito com o clima de perigo. Começo a solver o teu cheiro, farejando como uma loba e desenhando em minha mente teu corpo para guarda-lo – para mais tarde me tocar intimamente fazendo amor comigo e contigo em pensamentos – busco guardar o cheiro de tua pele, de teu cabelo, de tua testa, da tua face, até de tuas orelhas e me atrevo a aproximar nossas respirações: elas se fundem e sinto o hálito quente e convidativo saindo de seus lábios. Sem pensar em mais nada abro minha boca e colo na tua, explorando teus lábios, tua maciez movimento minha língua de encontro a tua e, sem meu consentimento, teus lábios prendem os meus e aceito de imediato como um convite. Subo na estreita maca montando em ti encaixando meus quadril ao teu, entrelaço nosso dedos e pouso minha mão na tua, sinto crescer em mim o teu sexo e, por dentro da fina malha, exploro tua pele íntima com minha mão, te bolinando. Escuto um sussurrar de prazer e abro os olhos para me deparar com teu olhar – a venda havia sumido – estremeci e ameacei descer de cima de ti, porém tu me sorri um riso torto e com olhos desejosos dizes "fica". Sem pensar nas outras pessoas que aguardavam na sala ao lado, deixo-me ficar esfregando meu corpo ao teu sofregamente, mas minhas vestes atrapalham e tu resolves abrir-me toda, arrancando-a fora, deixando-me a tua mercê. A música rola misturada aos sons que nosso corpos emitem e nossos sussurros se fundem a dizer:
"Vem para mim"
"Não posso"
''Me deixa entrar em você"
"Aqui não"
''Só um pouquinho, prometo, te desejo tanto.''
"Eu também te desejo"
"Deixa eu meter em você"
"Não"
''Só um pouquinho, prometo"
''Ahh não''
''Psiu,. Vem, vem.''
''Não... não.''
''Sim, sim, sim, vou te deixar louca.''
Finalmente cedi e deixei-te explorar meu corpo; penetrar em mim, pintando-me por dentro com teu pênis rijo, e tua boca tapa a minha para evitar um grito de prazer que explode em minha garganta. Sussurro o teu nome e imploro: "Vem mais, vem para mim, mete todo, me come, tesão" Sinto o pulsar do teu membro, explodimos num gozo profundo e tu permaneces em mim enquanto descanso minha cabeça sobre teu peito molhado com suor de nossos corpos, estamos satisfeitos e enroscados, ali naquela estreita mesa de massagens.