Cheguei de viagem  e  meu carro estava sujo para caramba. Fui a um lava   jato dar um trato no carrão, a noite encontraria uma  gata linda, loura, popozuda, peituda e deliciosa com ninguém, porém ao fazer a curva em direção  ao posto  vi você, morena, alta, pouco seio muita bunda, dentro de uma minissaia, freei sem perceber e quando dei por mim estava abrindo a porta  e oferecendo-lhe carona, ela sorriu , um riso safado e com olhos brilhantes apresentou-se:

 _ Oi! sou Carol, vou lá para adiante.

_ Prazer! Sou Sandro e vou para onde você for.

Ela  riu e sentou estiquei os olhos para suas coxas grossas e percorri até onde  a calcinha minúscula deixava antever seus negros pelos pubianos, ela notou meu olhar  e sorriu dengosamente. Eu falei:

- Preciso lavar o carro, se importa?

Ela balançou a cabeça enrolando os dedos nos  cachos de seus cabelos dizendo não. Entramos no lava jato automático e quando começou a lavagem espumante, Carol lançou um olhar penetrante e lambendo os lábios desbotou sua blusa deixando-me deliciar com a visão de seus pequenos, macios e rubros seios, meu tesão veio de imediato e quase  salta da calça, ela nota e começa a acaricia-lo por cima do tecido,deixando-me zonzo enquanto entreabria sua s pernas e se tocava. Aproveitei a chance  e abri o zíper expondo meu  membro duro e molhado, meu amigo saltou da calça como se ganhasse vida e curvou-se par ela ( meu membro cresce e fica meio de lado)ela riu um riso maroto e disse: - Ele é esperto! É adestrado?

Pondo a mão na glande rosada começou a masturbar-me, eu revirava meus olhos quando usei minha força e   puxei-a para meu colo pondo a calcinha de lado e penetrando o eu mastro em sua abertura apertadinha e já lubrificada, ela correspondeu mordendo meu pescoço, dei-lhe o troco sugando sua orelha, o carro andava, a água escorria, o sabão ensaboava o veiculo e nós nos fundíamos em um só ali naquele espaço refrigerado. afogueado notei que ia gozar e pedi-lhe  que parasse de rebolar para prolongar mais o ato, ela fitou-me respirou fundo e pude sentir meu membro sendo sugado por sua gruta e sem puder controlar-me  mais soltei meu jato inundando-a  abundantemente, sentindo latejar cada parte do seu ser beijamo-nos enquanto  recuperávamos  o folêgo ela então saiu de mim recompondo-se singelamente. Sentada ao meu lado enquanto o carro era seco eletronicamente. Paguei ao boy e segui o destino de deixa-la "lá adiante" ela, porém sussurrou languidamente que gostaria de mais, muito mais e fomos para sua casa para a segunda e terceira rodada.